46% dos superendividados atendidos pelo Procon-SP têm curso superior

O Procon de São Paulo traçou o perfil dos consumidores que passaram pelo Programa de Apoio ao Superendividado – PAS, em parceria com o Tribunal de Justiça, desde sua implantação, em outubro de 2012 até agosto de 2014. O estudo indica que o descontrole financeiro (41%) e o desemprego (22%) são as principais causas que levam à condição de superendividado. Em seguida vêm redução de renda (14%) e doença (12%).

A faixa etária entre 31 e 40 anos é a que mais concentra a procura (26%) e os que têm mais de 70 anos são os que menos procuraram o programa (2%). A faixa etária entre 41 e 50 anos é responsável por 25% da procura, seguida de 51 a 60 anos (19%).

Quase metade das pessoas possui nível superior ou acima (46% superior e 2%, pós-graduado). Já o ensino médio corresponde a 38%, e o fundamental, 13%.

A maior parte deles trabalha (68%), é casado (48%), do sexo masculino (52%) e declarou ter renda entre R$ 1 mil e R$ 2,9 mil (48%). Em seguida vêm os que têm renda de R$ 3 mil a R$ 3.999 (14%).

Foram analisados dados de 658 consumidores, em um universo de 1.592, que passaram pelo atendimento.

A pessoa é considerada superendividada quando a quantidade de dívidas vai além de sua renda mensal, mesmo que o consumidor não esteja negativado, e não consegue garantir sua subsistência básica (água, luz, alimentação, saúde, educação, transporte, entre outros).

 

Fonte: g1.globo.com/economia

Deixe uma resposta